A contrarreforma da Previdência que destrói o sistema público é aprovada na Câmara

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

 

O texto-base da reforma da Previdência, a PEC 06/2019, aprovado em primeiro turno na sessão da quarta-feira (10), na Câmara dos Deputados, em Brasília, já sofreu modificações, e outras mudanças ainda podem ocorrer. Os deputados estão reunidos desde então para aprovar destaques e emendas ao projeto original.

Mas no primeiro dia de votação, os 379 parlamentares que disseram sim às mudanças propostas pelo governo federal, até comemoraram o voto a favor do aumento da pobreza, da desigualdade social, do empobrecimento não só de idosos, mas também da juventude. Apenas 131 deputados se manifestaram contra o projeto.

Os mais de trezentos parlamentares também votaram contra a redução de privilégios de policiais federais e de outras categorias que já são favorecidas, inclusive a dos políticos.

Muitos que disseram Sim à reforma da Previdência já declararam, antes da votação, que vão manter a aposentadoria especial no Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC), isto é, caso o parlamentar consiga se reeleger e passar 35 anos em plenário, contribuindo mensalmente com 11% do salário ao PSSC, a aposentadoria final pode chegar a R$ 33.763 mensais, isso porque, a cada ano de contribuição são adicionados R$ 964,65 à aposentadoria. Só os novos congressistas é que terão o mesmo teto do INSS que o ‘cidadão comum’. Mas os que já estão em mandato têm direito à Previdência especial.

Um dos argumentos da proposta do governo era corrigir as distorções, mas mais uma vez, a/o trabalhadora/or é que vai entrar com a parte do sacrifício.

A conselheira do Conselho Regional de Serviço Social (CRESS-PR) Viviane Peres, foi até Brasília acompanhar a votação como representante da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (FENASPS), mas segundo ela, a maioria dos movimentos sociais e trabalhadoras/es foram impedidas/os de entrar no plenário. “Acompanhamos tudo do lado de fora da Câmara dos Deputados”, conta.  Após negociações do presidente Bolsonaro com emendas milionárias aos deputados federais a destruição da Previdência Social pública foi aprovada. “Aprovaram uma proposta que atingirá a proteção previdenciária de milhares de brasileiras/os, principalmente as mulheres e a população mais pobre do país”, afirma a conselheira que atua como assistente social no INSS de Londrina.

Para Viviane Peres, apesar de pequenas alterações na proposta aprovada em primeiro turno, ainda assim, as/os trabalhadoras/es terão grandes prejuízos, como por exemplo, a diminuição do tempo de contribuições para as mulheres. A PEC previa o aumento de 15 para 20 anos de contribuição para aposentadoria por idade para as mulheres, uma das propostas foi a manutenção de 15 anos. “No entanto, o valor do benefício previsto não foi alterado, as mulheres terão suas aposentadorias drasticamente reduzidas, com direito apenas a 60% do valor do benefício aos 15 anos de contribuição. A cada ano a mais na ativa, será possível receber mais 2%. Ou seja, para ter direito a 100% terão que trabalhar 35 anos”, constata. E acrescenta que, “Em um contexto brasileiro de desemprego estrutural e precarização das relações de trabalho, além das mulheres terem jornadas duplas e triplas de trabalho, será quase impossível se aposentarem com 100% de suas contribuições. E no momento de idade avançada não terão uma remuneração que garanta suas necessidades básicas”, aponta a conselheira Viviane.

Um levantamento da ONG Contas Abertas aponta que a liberação das verbas de emendas parlamentares vinha sendo acelerada, antes mesmo das liberações feitas nesta semana. Só durante a votação da Previdência, o governo destinou mais R$ 440 milhões aos deputados federais. Um dia antes da votação, R$ 1,135 bilhão já havia sido liberado; montante disponibilizado em dois dias supera R$ 1,5 bilhão em emendas vinculadas à área da saúde e outros 2,5 bilhões estão empenhados para garantir apoio de deputados. Um sinal evidente de que o governo mantém as práticas clientelistas.

A contrarreforma da Previdência destrói o sistema público, a concepção de uma Seguridade Social pública e universal. Assistentes Sociais mobilizadas/os continuarão em luta e resistindo neste cenário de retrocessos, mas também de fortalecimento de um projeto societário popular, por um país justo e igualitário.

 

Entre as/os deputadas/os federais do Paraná, 24 votaram a favor da reforma e apenas 6 contra.

Votaram a favor da proposta

Aline Sleutjes – PSL – Sim
Aroldo Martins – PRB – Sim
Boca Aberta – PROS – Sim
Christiane Yared – PL – Sim
Diego Garcia – Podemos – Sim
Evandro Roman – PSD – Sim
Felipe Francischini – PSL – Sim
Filipe Barros – PSL – Sim
Giacobo – PL -Sim
Hermes Parcianello – MDB – Sim
Leandre – PV – Sim
Luisa Canziani – PTB – Sim
Luiz Nishimori – PL – Sim
Luizão Goulart – PRB – Sim
Paulo Eduardo Martins – PSC – Sim
Pedro Lupion – DEM – Sim
Reinhold Stephanes Junior – PSD – Sim
Ricardo Barros – PP – Sim
Rubens Bueno – CIDADANIA -Sim
Sargento Fahur – PSD – Sim
Schiavinato – PP – Sim
Sergio Souza – MDB – Sim
Toninho Wandscheer – PROS – Sim
Vermelho – PSD – Sim

 

Votaram contra

Aliel Machado – PSB – Não
Ênio Verri – PT – Não
Gleisi Hoffmann – PT – Não
Gustavo Fruet – PDT – Não
Luciano Ducci – PSB – Não
Zeca Dirceu – PT –Não

 

O projeto de reforma chegará ao Senado depois de ser votado em segundo turno, em sessões na Câmara dos Deputados. Depois de todos os trâmites, a previsão é de que em setembro o texto deverá ser promulgado para entrar em vigor.

 

Endereços e Telefones
Sede
R. Monsenhor Celso, 154, 13º andar
80.010-150 - Centro - Curitiba - PR
Ver um mapa »
(41) 3232-4725
Seccional Londrina
Rua Piauí, 399, sala 101 - Ed. São Paulo Towers
Londrina – Paraná – CEP 86.010-420
Ver um mapa »
(43) 3324-1151 / 3323-3837
Seccional Cascavel
Rua Paraná, 3033 – Centro Empresarial Formato
16º andar sala 161 – Cascavel/PR - CEP: 85810-010
Ver um mapa »
(45) 3303-4487 – (41) 9 9144-5328
Acesso rápido
RECEBA NOTÍCIAS DO CRESS
Cadastre seu e-mail: